Seni Vai De Viagem

FÁTIMA… UMA EXPERIÊNCIA E TANTO!

Sou cristã, embora não praticante. Desde muito garota que me foi incutida a religião, principalmente pela minha avó materna.

Foi ela que me ensinou a rezar, que me explicou o significado da religião, do porquê acreditar e praticar. Não era beata, como muitos dos meus antepassados o foram, mas acreditava e era devota à sua maneira e sempre foi isso que me passou. Hoje, embora séptica em relação a algumas coisas que envolvem a Igreja (como instituição), sou uma confessa religiosa, à minha maneira.

Frequento a Igreja com alguma regularidade, peço e agradeço, tenho devoção a alguns santos em especial, mas frequento-a principalmente por questões culturais e artísticas. Sou uma fã incondicional da arte sacra, e uma entusiasta de assuntos teológicos, principalmente teologia cristã, leio bastante a respeito, tenho uma curiosidade intrínseca.

Já tinha estado em Fátima anteriormente, mas nunca em época de peregrinação. Não fiz a caminhada peregrina, fui de popó e o máximo que andei foi do estacionamento até ao Santuário e mais umas voltinhas por lá.

Cheguei a Fátima por volta das 16:50 do dia 12 de Maio,  já muito em cima da hora portanto, na expectativa de um caos rodoviário, de uma enchente de pessoas, e muita confusão – embora pacífica.
Fiquei surpreendida por não apanharmos trânsito, por ser tudo tão organizado e por avistar autoridades em todos os ângulos da minha vista. A enchente não desiludiu, não consigo ter a percepção da quantidade de pessoas, mas o Santuário era minúsculo perante tanta gente.

Uma mistura de culturas que nos enche a alma!! Desde portugueses, coreanos, colombianos, italianos, vietnamitas, franceses, brasileiros, todos os cantos do mundo se reuniram no espaço do Santuário de Fátima e nos seus arredores. Com um único objectivo: dar e receber amor. Porque a religião une pessoas, por mais sépticos que sejamos, por opiniões controversas que tenhamos, esta é a única certeza. Uma multidão de gente para idolatrar A Nossa Senhora de Fátima, para ver o Papa Francisco (Papá que está presente no seu tempo, que percebe e vai de encontro às necessidades dos crentes da Igreja e da Religião Cristã actual), ver a canonização de Jacinta e Francisco, os nossos mártires.

É difícil expressar por palavras o que se sente, porque vai para além da nossa compreensão. Cheguei séptica, confesso, mas saí maravilhada. Porque vi o Papa por duas vezes a escassos metros, (e quando fui ao Vaticano não tive essa oportunidade), porque senti o amor ao próximo no ar, porque respirava-se algo de incrível naquele ambiente. Mas nada mais é incrível que a Benção das Velas. Milhares de pessoas, um mar de luzinhas de velas, um espetáculo sem igual. Fiquei para lá de maravilhada!! Encontrei-me com a paz naquele momento, não pedi, mas agradeci. E agradeci muito aquela experiência!!

Não fiquei para o dia 13, retirei-me assim que se deu por terminada a Benção das Velas, mas saí de lá com uma certeza!! Que para o ano irei fazer a peregrinação, não só pelo lado religioso, mas também pela experiência! Fátima… até 2018!!

PS.- O SALVADOR GANHOUUUUUU uhuhhh!!

 

 

The author: seni

"Enquanto muitos viajam para fugir, ela viaja para se encontrar, é como se os lugares conhecessem partes da alma dela, partes que ela ainda não conhecia."
Leave a Reply