Oh, Mãeee!

NATURALMENTE DEPRESSÃO!

Muito se abafa o tema da depressão pós-parto, mas é algo naturalmente difícil de saber lidar.EU SOFRI DE DEPRESSÃO PÓS PARTO, por duas vezes e com sintomas diferenciados. Não foram em forma agravada (graças ao estar bem informada e a ter tido um óptimo acompanhamento médico), porém foram significativas para o meu bem-estar, para o bem-estar das minhas filhas e de quem estava comigo.

Vou apenas falar daquilo que passei e na primeira pessoa, mas não se fiquem apenas por o que aqui escrevo, pois existem várias outras histórias e sintomas que podem ser lidos e testemunhados, mas como só falo daquilo que sinto e sei, aqui vai!

Existem vários sintomas e os mais diferenciados, existem inclusive sintomas que em nada se parecem com depressão, mas que na realidade o são. Eu, por exemplo, tive uns meio estranhos mas que me levaram até ao hospital.

Na primeira gravidez, após a Yasmin nascer, passei-me dos carretos e ninguém, ninguém mesmo, podia se chegar perto dela, nomeadamente a minha mãe. Criei uma bolha só nossa onde só existíamos as duas e ninguém era suficientemente seguro para se aproximar. Durante 15 dias éramos eu e ela, ela e eu, e ai de quem se aproximasse muito sem máscara de protecção, sem estar com o cabelo apanhado e jamais poderia usar perfume. Esta protecção quase que doentia, vim  a saber pouco tempo depois, que era um dos sintomas da depressão pós-parto. Há quem, que pela respectiva causa, despreze os filhos recém-nascidos e há o oposto e nenhuma destas situações é saudável nem para os pais, nem para os filhos. O meu ex-marido sentia-se completamente posto de lado e chegou a verbalizar isso e a minha mãe chegou a chorar e a ameaçar de se ir embora do Brasil devido ao tipo de relação que eu estava a manter com ela. Enfim… Nada fácil!

Na segunda gravidez, após a Kyara estar comigo em casa, comecei a sentir-me muito mal: falta de ar, taquicardia e dores no peito. Lembro-me de ligar ao meu médico e ele dizer para me dirigir ao hospital o mais rápido possível. O coração parecia que ia sair-me pela boca!!! Terrível!!! Lá fui eu com a minha mãe e a bebé de 3 dias para as urgências. Elas ficaram fora do hospital mas tinham que estar ali comigo, pois a Kyara só mamava e de hora a hora.

No consultório, após uma série de exames, o médico que me atendeu chegou à conclusão que eu estava a sofrer de ataques de ansiedade, algo também originário da pequena depressão pós-parto que eu estaria a iniciar caso não me tratasse imediatamente. Lá fui eu para uns calmantes naturais para poder amamentar e em pouco tempo estava tudo ok, cor-de-rosa e maravilhoso.

Pois é… Sintomas que nunca pensei que fossem depressão pós-parto, isto porque quando falamos em depressão pensamos logo em tristeza profunda, mudanças drásticas de humor, muito sono, falta de vontade de comer, etc, etc, etc, mas cada um é como cada qual e nestas duas situações descobri que a nossa mente e corpo são muito mais “loucos” e complexos do que a generalidade de algumas doenças.

Fiquem atentas e não deixem passar nada… Cuidar de vocês, é também cuidar dos vossos filhos. Procurem sempre saber o que se passa e se possível pesquisem muito. Hoje em dia temos o Google como nosso aliado, por isso, sem desculpas.

Para todas, bons partos (para quem está abençoada) e para quem não está de bebé, muito bom dia e vamos povoar o mundo, sim?

The author: marta

" (...) tem aquele gosto doce de menina romântica e aquele gosto ácido de mulher moderna."

1 Comment

  • Olá Martinha cada dia que passa adimero te muito obrigada ,eu sai o quê uma depressão ,mas não é pós parto enfeliz eu tenho uma pessoa que tem uma depressão beijinhos

Leave a Reply