Mariquices

PEITOS, PEITINHOS, PEITÕES!

Isso mesmo: vou falar de peitoooooooossss, o sinónimo de FEMINILIDADE!

Os peitos sempre foram uma generosa forma de rotular as mulheres: aquela tem bons peitos, as mamocas da outra não enchem a mão, caramba aquela senhora tem umas mamas Deus me livre… E por aí vai! Haja peitos para todos os gostos e mais alguns. Mas nós mulheres por vezes sofremos com as nossas curvas naturais ou as adquiridas financeiramente após a puberdade.

Embora este tema seja delicado, existem peitos e peitos, e com todo o respeito aos senhores (peitos) devemos de uma vez por todas dar-lhes a chance de falarem por si. Isto é, cada uma de nós vai-se pôr no lugar dos seus ditos cujos e vai imaginar o que eles lhes diriam, ok? Isto porquê? Perguntam vocês. Porque, respondo eu em nome dos peitos, eles também têm sensibilidade (e que sensibilidade) e merecem ser ouvidos e defendidos.

Muitos deles diriam: parem de usar ferros para nos aumentar ou levantar; outros diriam que gostariam de ser menores pois estão a cair e a dar de caras com o umbigo (inimigo número um); depois os outros poderiam dizer que gostariam de ser maiores porém sem perder aquele ar arrebitado da juventude… Oh Deus, quantos peitos infelizes e sem realização pessoal poderíamos nós descobrir por este mundo fora?!?!

Pois é… Não existe felicidade plena e a moda vai e vem, deixando os nossos peitos incapazes de agradar a todos e em todas as épocas, mas… e lá vem o mas… os nossos peitos são nossos e só nossos e poderão contar muitas histórias (não, não são histórias dessas, meninos!) ou ser o reflexo do que somos e queremos ser. Dependendo de como os mostramos através da postura, da roupa interior, da blusa que vestimos, do biquini que escolhemos, existe sempre a vontade de os esconder ou de os colocar à vista de todos, correndo o risco de nos tornarmos vulgares até. Mas somos mulheres, certo? E o que hoje amamos no nosso corpo, pode ser o nosso pior pesadelo amanhã.

Tendo dito tudo ou nada nas linhas acima, venho reivindicar a favor dos peitos e que façam deles o que quiserem (com a sua permissão). Mas lembrem-se sempre de que os peitos são peitos e merecem estar ali, de uma forma bonita, saudável e equilibrada. Não exagerem (nem para mais, nem para menos), apenas ganhem mais consciência do vosso corpo e não façam asneiras como eu já fiz no passado e agora recupero-me de uma redução mamária.

Isto é um texto muito pessoal, mas falei no plural só para não chamar muito a atenção, deal? Viva os peitos… Vivaaaaaaaaaaaa!

 

The author: marta

" (...) tem aquele gosto doce de menina romântica e aquele gosto ácido de mulher moderna."

1 Comment

Leave a Reply