Oh, Mãeee!

JÁ PARA CASA, MENINA…

Encontro-me entre a espada e a parede e absorvida por um sentimento de receio aliado a uma insegurança terrível!Chegou o único momento, creio eu, que os pais mais temem: deixar os filhos sair sozinhos! Baaaaaahhhh… e ainda não é à noite, é só ali ao shopping ou a um restaurante qualquer com os amigos. Estou de rastos!!! Imaginem quando for à noite, não saem, mas não saem mesmo, é ponto assente, ou não! Meu Deus, misericórdia!!!

Eu sempre disse, de peito cheio, que crio as minhas filhas para o mundo. Mentiraaaaaaa, não crio nada, crio para mim e para o nosso ninho e mais nada. Cheguei agora a essa conclusão! Quero-as aqui, em casa, debaixo do meu olho, a comer o que deixo, a falarem com quem consigo ver, vestidas como quero, a usar o palavreado que ensinei e blá blá blá… Estou super de rastos!

A Yasmin tem quase 12 anos, quase da minha altura, mas ainda uma criança. De há duas semanas para cá, já saiu duas vezes com os amigos: uma vez para almoçar e outra para ir ao cinema. Tive quase dois enfartes e alguma dormência cerebral. Tentei arranjar todas as desculpas possíveis para estes encontros não acontecerem mas… tive que ceder! Tenho que ceder e terei que ceder, porque ela tem que se habituar a andar sem mim e outras coisas mais, mas jááááááá?

Resumindo: na primeira saída preparei uma vigia para a qual fui disfarçada (óculos, chapéu…) e de longe consegui vê-la… (ela vai me matar quando ler isto)… e consegui!!! Portou-se bem e foi muito razoável nas escolhas que fez (todas elas: desde comida a situações com os amigos). Na segunda já confiei mais, embora fosse no cinema, a minha mãe deixou-a na porta e eu fui buscá-la. Mas Deus, sempre à espera que ela me ligasse a dizer já acabou.

Não tenho idade para isto, genteeee! Isto não vai dar certo… Há quem diga (eu própria) que por saber o que aprontei na idade dela, estou assim. Também, confesso, mas não só! O mundo lá fora está um caos e muita sorte temos de Portugal ser bem mais tranquilo em algumas coisas, mas… São o meu tesouro, não é mesmo? E o que se faz aos tesouros? Guardam-se, trancam-se e cuidam-se.

Não quero mais falar sobre isto, já me estou a sentir mal… Fui!

The author: marta

" (...) tem aquele gosto doce de menina romântica e aquele gosto ácido de mulher moderna."

1 Comment

  • Tentar acompanhar, nas duvidas da adolescência, sempre o mais importante, para que na escola não venham aprender por segundas vias o que tu eu e muitos de nós aprendemos rápido d mais, e fomos o que fomos..
    Mas sim irão ser sempre o teu tesouro, mas as vezes a que abrir um pequeno casulo, mas sempre de olho no burro e no cigano beijo miúda/mulher/mãe solteira, de olhar sofrido e as vezes escondido, o mais bonito de todos!

Leave a Reply