Seni Vai De Viagem

HOTEL QUINTA DAS LÁGRIMAS…UMA DELÍCIA!

O Hotel Quinta das Lágrimas situa-se em Santa Clara, na margem esquerda do Mondego (Coimbra), e é membro do Small Luxury Hotels of the World: uma verdadeira jóia no coração de Coimbra!

Um lugar idílico, literalmente parece vindo de um conto de fadas, ou melhor, de uma história real entre Dom Pedro e Dona Inês de Castro (quem não conhece este romance ao tom de Romeu e Julieta nacional?).

Um local cheio de história. Uma quinta que se transformou em hotel em 1996. Um pequeno palácio do século XVIII que foi recentemente restaurado no seu todo na Primavera de 2016, está idealizado para oferecer ainda mais conforto e sofisticação aos seus hóspedes.

A entrada faz-se por um lindo e alto portão de ferro que nos conduz até à entrada, com uma escadaria palaciana. Ao colocar o pé dentro do hotel parece que regredimos no tempo e mergulhamos num ambiente palaciano magnífico!! O sentimento é de deslumbramento total! O documento mais antigo que refere a propriedade data 1326 portanto, como podem perceber, história é o que não falta a esta Quinta.

O Hotel apesar de Palaciano, conta também com duas alas Garden mais modernas que contrastam assumidamente com o registo palaciano, com quartos e espaços modernos e sofisticados, que embora contrastantes, acabam por se envolver.

Calhou-me um super pink room, que à partida estranhei (não sou muito pink girl em quartos, aliás o
meu é azul), mas depressa se entranhou e eu não queria mais sair de lá. Com varanda e acesso a um pequeno jardim privado, que faz as delícias a um pequeno-almoço maravilhoso ou a momentos de leitura, está envolto num ambiente mágico com as sonoridades dos pássaros e do riacho que percorre a Quinta. Quem diria que estaríamos no meio da cidade?! 

Há vários espaços exteriores e interiores que são marcantes nesta Quinta: como o Espaço Museológico dedicado a D. Inês de Castro (pela Fundação Inês de Castro situada no complexo do Hotel) onde encontramos as mais variadas obras de arte (escultura, pintura, gravura) de variadas épocas, num corredor que percorremos no caminho até ao espaço de conferências e salas de reunião. O Hotel oferece também uma Sala de Fitness para os mais fits que não querem perder os seus dias de treino e que oferece equipamento suficiente para o fazer. É claro que o utilizei até porque ando numa “vidinha de food taster” e qualquer dia rebolo!!! Para mim é super importante ter um espaço fit em qualquer lugar que eu vá!

Espaço Museológico

Tem também um magnífico Bamboo Garden SPA que oferece além da sua piscina interior, tratamentos e massagens (aromaterapias, exfoliação, shiatsu, relaxamento entre outros) e estas massagens podem ser feitas em três locais distintos: no spa, no conforto do quarto ou até mesmo no jardim botânico. Eu optei por fazer uma massagem relaxante pelas mãos da querida Adriana, no Spa, e posso afirmar que ela foi uma simpatia desde o primeiro momento. Uma característica deste Hotel é sem dúvida o seu espírito familiar e o staff super prestativo e simpático, com imensa vontade de nos mostrar e fazer viver toda a experiência da Quinta e da cidade de Coimbra.

Jardim Japonês

O mais giro foi encontrar um Jardim Japonês no interior do Hotel, um espaço propício à meditação, com uma paz e harmonia que é literalmente sentida. Eu sou super zen e instantaneamente me identifiquei com este cantinho!

A ideia inicial era percorrer os trilhos da Quinta, ela tem cerca de 13 hectares, com cantos e recantos por descobrir. Consegui fazê-lo (em parte) no primeiro dia e descobri um fantástico miradouro, mas com a chuva fiquei impedida de o fazer nos dias seguintes, o que me fez ter tempo para explorar ainda mais o interior do Hotel. Assim descobri a história e os salões do palácio que são lindos de morrer, onde me sentei para escrever e trabalhar um bocadinho, numa paz sem igual. E os hóspedes que por lá passam também são uma simpatia. Encontrei-os vindos de quase todos os cantos do mundo e de várias faixas etárias, com um sentimento comum: o deslumbramento pela Quinta e pela cidade de Coimbra, que é tão mágica!

Encontrei uma magnífica Biblioteca, que nunca irei conseguir descrever por palavras. Quando lá entrei, as palavras que soltei foram: “Quero viver aqui!”. Obviamente que cada um tem o seu gosto e o meu vai muito de encontro a esta relíquia. Perdi-me na sua estética e jogo de luzes, na sua estrutura de pé alto com estantes até ao tecto, e também me perdi na sua leitura com colecções incríveis.

A Quinta é famosa por ter duas fontes históricas. A Fonte das Lágrimas, que foi louvada pelo nosso querido Luíz de Camões nos Lusíadas:

“As filhas do Mondego, a morte escura

Longo tempo chorando memoraram

E por memória eterna em fonte pura

As Lágrimas choradas transformaram

O nome lhe puseram que ainda dura

Dos amores de Inês que ali passaram

Vede que fresca fonte rega as flores

Que as Lágrimas são água e o nome amores”

Estrofe 135 do canto III dos Lusíadas 

Diz-se que a cor vermelha que se encontra nas pedras da fonte foram as lágrimas de sangue que Dona Inês de Castro verteu e que ficaram eternizadas. Eu lá andei a raspar as pedrinhas para me certificar que não era pintado ahahah, e não é! Provavelmente a composição química da água e da pedra fazem com que certas pedras fiquem com aquela tonalidade, mas… vamos continuar a acreditar nos bons mitos e lendas que temos, aquilo são as lágrimas de sangue e pronto!!

A outra fonte conhecida é a Fonte dos Amores, que fica junto a uma autêntica obra de arte natural, a imponente Figueira da Austrália (Ficus Macrophylla), que já devem ter visto por aí nas redes sociais, porque a “pequena” é muito solicitada.

A flora da Quinta das Lágrimas é muito diversificada, um jardim botânico tropical com espécies que apenas podem ser encontradas no Jardim Botânico Nacional, em Portugal. Pela mata encontram-se várias fitas com promessas de amor eterno dos visitantes pendurados nos ramos de árvores e mesmo inscritos nas canas de bambu, de forma a eternizar o amor.

Podemos encontrar um Jardim Medieval com pomar e várias hortinhas para consumo próprio do Hotel, um Jardim Romântico, um Jardim de Bambus, um Campo de Golfe para os golfistas e aprendizes (sim, porque também disponibilizam aulas de iniciação do Golfe), uma zona de Mata e o Anfiteatro Colina de Camões que é super cool, onde na Primavera e Verão apresentam também o Festival das Artes, com concertos, palestras, artes cénicas, etc.

Os jardins estão abertos ao público durante todo o ano, portanto mesmo sem estadia, é possível visitar esta delícia de jardins.

Existe também um espaço exterior com uma piscina e esplanada que oferecem um ambiente tranquilo e apetecível. Que pena não estarmos em pleno Verão, já me estava a ver a tomar banhos de sol enquanto colocava a minha leitura em dia.

Passando pelo bar ao estilo britânico, chegamos ao restaurante Arcadas, situado no Hotel, um mimo com Estrela Michelin, onde consegui por à prova o meu humilde paladar com fantásticas delícias gourmet pelas mãos do Chef Vitor Dias, mas essa experiência irá ficar para o próximo Post!

O Hotel tem de tudo um pouco e tentei aproveitar ao máximo! É mesmo um local quase utópico onde se tem uma experiência incrível. Excelente para passar uns dias em família ou apenas para uma estadia romântica com a nossa cara metade, pois nesta Quinta respira-se amor, amor de Pedro e Inês, amor de todos nós. Custou-me imenso vir embora, vim triste por não poder ficar ali a viver, acho que seria muito feliz! Ahahah!  Sabem quando têm aquela sensação que pertencem a algum lugar? Não sei se é por adorar e encantar-me com a história romântica que nela ainda vive, ou pelo facto de ser Inês, mas há qualquer coisa que me prendeu àquela Quinta!

.

HOTEL QUINTA DAS LÁGRIMAS
Rua António Augusto Gonçalves, 3041-901 Coimbra

 +351 239 802 380

@hotelquintaddaslagrimas
 .
.
 .
 .
Photo Credits: Pedro Círiaco

The author: seni

"Enquanto muitos viajam para fugir, ela viaja para se encontrar, é como se os lugares conhecessem partes da alma dela, partes que ela ainda não conhecia."

1 Comment

Leave a Reply